Os Maiores Riscos que a Indústria de Mineração Enfrenta

Coal Railroad Cars

Em meu último blog, me referi ao número de perdas sofridas pela indústria de mineração nos últimos cinco anos. Observei que estas perdas se originam de uma pletora de causas, que incluem catástrofes naturais e perdas de choque operacional. O que não fiz, foi chamar a atenção para os muitos fatores de risco emergentes que, cada vez mais, preocupam a comunidade mineradora mundial, e que muito provavelmente afetarão e, portanto, alterarão o perfil de expectativa de perda que continua aumentando.

Destacamos a maioria desses riscos em nosso Mining Market Review anual, que foi lançado esta semana para coincidir com a African Mining Indaba em Cape Town.

Mining Market Review, Spring 2012

Leia o Mining Market Review, Primavera de 2012

A maioria dos riscos é derivada de circunstâncias macroecômicas e sociopolíticas globais, tais como:

  • Os países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia, China) vão continuar a crescer e se desenvolver, e assim manter a tensão competitiva entre fornecimento e demanda?
  • África do Sul vai se estabelecer como um novo membro deste Grupo de Quatro?
  • “Resource Nationalism” (uma expressão que tem um significado muito similar a imposto) vai evoluir para uma ameaça real aos grupos de mineração líderes do mundo?

Resource Nationalism

Chavez na Venezuela, Morales na Bolívia, Humala no Peru, Malema na África do Sul, Gillard na Austrália… o que, Julia Gillard mencionada na mesma frase que Hugo Chavez e Julius Malema?! Bem, o novo imposto de mineração na Austrália está sendo acusado de representar uma nacionalização efetiva de 40% do mercado de mineração; assim, creio que a comparação tem fundamento.

A propósito, nada disto é realmente novo – imposto, em suas muitas formas, umas boas outras nem tanto, tem sido um fator cada vez mais presente no mundo desde o império romano, mas parece que o mundo esqueceu a arte da diplomacia. Fala-se que Jean-Baptiste Colbert, Ministro das Finanças de Louis XIV, disse: “A arte de cobrar impostos consiste em depenar o ganso, o tanto necessário para obter a maior quantidade de penas com o menor barulho possível” – Gillard (e os Gregos e os Irlandeses, pensando bem) deveriam aplicar este princípio.

Manter os Mineiros Felizes

Seja como for, com a crescente ênfase em boas práticas de sustentabilidade (saúde, segurança e meio ambiente), a crescente necessidade de mimar a força de trabalho com programas de “bem estar” que forneçam ginásios, instalações de massagem e adoção de mais contratos FIFO (Fly In Fly Out) para que os trabalhadores possam passar mais tempo com suas famílias (os antigos mineiros de estanho de Cornish devem estar se revirando em suas covas, que Deus os tenha), o que a indústria de mineração está descobrindo é que eles têm de ser gentis com a ordem natural das coisas. Eles estão percebendo que cuidar de seus recursos humanos irá ajudar a reter a escassa propriedade intelectual e a base de conhecimento que é crucial para dirigir adequadamente uma complexa operação de risco.

Dor da Cadeia de Fornecimento

Em cima de tudo isto, o último risco “emergente” é o gerenciamento da cadeia de fornecimento – tão importante quando os riscos são perdas de receitas de US$ 30 milhões por dia, e a globalização (um eufemismo para “ache o lugar mais barato para fazer o que fazemos”) determina tudo que uma importante corporação faz. Nada ilustra isto melhor que a recente experiência tailandesa, em que empresas japonesas afetadas pelo tsunami/terremoto do ano passado relocaramr suas operações para a Tailândia, que, em seguida, foi afetada pela pior inundação registrada na história. As estimativas das perdas resultantes serão as maiores de todo o ano, que incluiu o tsunami/terremoto no Japão, os terremotos em Christchurch, os tornados nos USA, as inundações e ciclones em Queensland, as tempestades e inundações no Brasil, e mais.

Portanto, em mineração tudo é “Risco” ou “Risque” em francês, ou “Rhiza” como dizem os gregos. Em grego a palavra significa “penhasco” e tem relação com os riscos de navegação próxima às costas rochosas – isto é corroborado quando o Padre Gus no filme “Casamento Grego” afirma que todas as palavras da língua inglesa vêm do grego – não seria bom poder lidar com os riscos que afligem a indústria de mineração com um spray de Windex (limpa vidros)!

About Steve Higginson

Steve is the Willis Mining Practice Group Leader. Based in Melbourne, Australia, and with more than 30 years of exp…
Categories: Mineração, Português

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>