Segurança do Trabalhador: Lidando com uma força de trabalho que está envelhecendo

Aging Workforce

O tumulto financeiro mundial dos últimos anos teve um enorme, e frequentemente negativo, impacto nas contas de aposentadoria dos trabalhadores. Novas tendências indicam que muitos trabalhadores sentem uma correspondente necessidade de continuar trabalhando e postergar a aposentadoria. De fato, os estudos do Bureau of Labor Statistics  revelam que a idade média da força de trabalho dos EUA, que vem mostrando uma tendência crescente desde o final da década de 70, aumentou significativamente nos últimos anos. Trabalhadores com mais de 55 anos, atualmente, compõe 40% da força de trabalho nos EUA, um salto de 12%, desde que a atual recessão começou.

Chart: Median Labor Force Age

"A idade média da força de trabalho está subindo. Em 2008, chegará a 41 anos – um nível muito alto segundo os padrões históricos."

À medida que os empregadores acolhem uma força de trabalho que envelhece cada vez mais, pode ser aconselhável reexaminar periodicamente as instalações de trabalho para assegurar que os funcionários tenham as ferramentas e recursos que promovam um desempenho eficiente e seguro.

Comunicação é a chave

Como não é factível antecipar cada possível necessidade de uma força de trabalho em constante mudança, é importante que empregadores e empregados tenham uma comunicação aberta sobre o assunto. Os empregados devem sentir-se com liberdade para discutir preocupações relativas ao  ambiente de trabalho com a gerência. Para tanto, é importante que empregadores façam os empregados saberem que devem entrar em contato a respeito de questões e solicitações relativas às suas necessidades relacionadas ao trabalho.

Necessidades do local de trabalho em constante mudança

Responder às solicitações dos empregados pode frequentemente, implicar em coisas simples como providenciar melhor luz de leitura, monitores de computador maiores ou fontes com letras maiores.

Para ajudar a identificar questões de ambiente de trabalho menos óbvias, os empregadores devem observar as atividades do dia-a-dia de trabalho, em geral, e procurar ativamente input do trabalhador com relação a melhorias potenciais no ambiente ou processo de trabalho, que podem ajudar uma melhor adequação do trabalho ao trabalhador.

Quando apropriado e possível, medidas proativas podem até incluir permissão para modificar horários de trabalho e a introdução de programas “stretch/flex” para auxiliar empregados de todas as idades a se preparar para as atividades diárias de trabalho.

Com a idade média dos trabalhadores aumentando a cada dia, talvez seja mais importante que nunca que o empregador avalie amplamente seu local de trabalho e adote planos para suprir a evolução das necessidades da força de trabalho.

________

David Barry

Guest blogger David Barry é o diretor técnico nacional da Casualty Risk Control, onde presta serviços de consultoria de controle de risco para clientes: identificação, análise e criação de programas de controle de risco que enfocam perdas potenciais específicas da indústria. Ele recentemente contribuiu para o segmento Segurança do Trabalhador da apresentação especial do WillisWire sobre riscos emergentes: What Risks Will Emerge in 2012?

 

Categories: Controle de Risco, Português, Segurança de Empregados

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *