Argentina Nacionaliza YPF – Quem Deve se Preocupar?

Argentina Nationalizes YPF

Alguns relacionaram ela à Eva Perón, mas o discurso da presidenta argentina Cristina Fernández de Kirchner, semana passada, de que ela estaria buscando a confiscagem de 51% do YPF, a ex-empresa de petróleo estatal, atraiu muitas comparações ao maior fã de expropriações, o presidente venezuelano Hugo Chavez.

O movimento surpresa, o qual foi aprovado pelo Senado argentino, virá como um choque para a gigante petrolera espanhola Repsol, sócia majoritária na YPF, a compania que Kirchner acusa de desvio de lucros invés de reinvestir os mesmos.

Um modelo de Ações Populistas

Argentina's President Kirchner Nationalizes YPF

Presidente argentina Cristina Fernández de Kirchner anunciando a conta para nacionalizar a YPF Abril 16, 2012. PHOTO CREDIT: Desconocido, Presidencia de la Nación

Junto com sua afirmação de soberania sobre as Ilhas Falkland, essas ações populistas são criadas, sem dúvida, para alavancar o suporte aos sindicatos e aos pobres e tirar as atenções das verdadeiras ameaças enfrentadas pela Argentina—mas, a crítica diz, que isso só deve servir para atenuar os futuros investimentos diretos entrangeiros.

Essas ações seguem outras medidas populistas, como a recente mudança na lei, a qual agora dita que o procedimento de exportação de óleo e mineração deve ser repratiado na Argentina, e ainda a i imposição de controle estrito de capital estrangeiro.

No entanto, essas ações não serviram para estancar a fuga de capitais, e a expropriação da participação da Repson na YPF vai fomentar ainda mais a tensão. A inflação está fora de controle e a desvalorização é, provavelmente, inevitável.

Investidores Estrangeiros Deveriam se Preocupar?

Outros investidores estrangeiros podem estar marcados – como mostra o grupo Americano de agronegócios Bunge com sua recente suspensão de um registro chave de grãos – pelo fato de Kirchner estar adotando o mesmo caminho utilizado pelos outros países na América Latina no que diz respeito à retomar o controle de seus recursos naturais.

O mercado de seguros, no entanto, pode escapar de uma reinvidicação substancial, já que como publicado, a Repsol não comprou a cobertura de riscos políticos relevantes para se proteger de atos de expropriação.

 

________________________________________

Este post foi postado em inglês no dia 26 Abril 2012

Silhueta da refinaria na imagem do topo CRÉDITO: Jacobo Garcia, Flickr

About Andrew Van den Born

Andrew is an Executive Director of the Financial Solutions division, specializing in the structuring and placement …
Categories: América Latina, Português, Risco Político

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *