O custo para a Costa pode ser maior que o do Titanic

Sinking of Concordia Cruise Ship

As apólices de seguro que os consumidores contratam para suas casas, carros, vidas e outros riscos, tais como os que eles podem enfrentar durante as férias, são estabelecidas de acordo com a probabilidade que importantes catástrofes – sejam elas causadas pelo elemento humano ou natureza – acontecem somente a cada 100 ou 200 anos. Embora esta não seja uma probabilidade literal, ela reflete a visão da indústria de que eventos extremamente catastróficos são poucos e ocorrem com grandes intervalos de tempo. Do ponto de vista de 1 evento a cada 100 anos, o Costa Concordia ter encalhado e naufragar na costa da Itália em 13 de Janeiro foi importante. Acontece que 2012 é o centenário do afundamento do Titanic (do qual Willis foi o corretor). A preços atuais, o Titanic é, provavelmente, a maior perda marítima segurada da história.

Contudo, o Concordia, que pertence à Carnival Cruise Lines, pode muito bem afundar o recorde do Titanic. Embora o desastre do Concordia não tenha nem de longe causado tantas mortes (embora trágico, apenas seis mortes foram relatadas até a data desta postagem, com 29 pessoas ainda desaparecidas), o incidente tem muita significância no mundo do seguro marítimo, tanto da perspectiva da perda do casco como da responsabilidade.

Ações de Classe podem ser maiores que a perda física

Esquecendo, por um momento, a escala do dano físico real, uma vez que ainda não se sabe se a embarcação pode ter sofrido perda total, há a possibilidade de maiores perdas associadas à poluição (especialmente se, como alguém de nossa equipe disse à Reuters, o navio começar a vazar combustível), perda de renda e, naturalmente, os danos que os passageiros e os membros da equipe que sobreviveram e os que perderam entes queridos podem alegar.

Tendo em mente que a Carnival Cruise Lines está baseada na “Land of The Class Action” (Terra das Ações de Classe), nos EUA, os processos associados poderiam facilmente alegar danos que extrapolem quaisquer danos materiais sofridos.

A perda do Concordia terá um “desenrolar longo, muito longo”

PROTECTION AND INDEMNITY MARKET REVIEW 2011/2012

Our Protection and Indemnity Market Review for 2011/2012 provides an overview of the state of the P&I Clubs before the Concordia loss (em Inglês)

De volta ao navio propriamente dito, seu valor total foi estimado nas proximidades de USD$500 milhões. Pode levar vários dias para que alguém determine se a embarcação pode conter salvados. Isto depende muito das condições do tempo e de quão rápido o navio pode ser recolocado em uma posição ereta.

A prioridade imediata da Carnival Cruise Lines nos próximos dias será certificar-se de que todos os passageiros retornem sãos e salvos para casa e resgatar o combustível do Concordia. Depois disso, é uma incógnita.

O salvamento propriamente dito pode levar um longo tempo. Determinar se foi negligência que causou o desastre pode levar anos e, naturalmente, não há como dizer que tipo de dano isto pode causar à reputação da Carnival. A única certeza é que o desastre do Concordia terá, sem dúvida, um desenrolar longo, muito longo.

Estas são apenas nossas impressões iniciais – na ocasião em que nossa próxima Marine Market Review for publicada, no início de Março, teremos muito mais a dizer.

Portanto, fique ligado no  WillisWire. Enquanto isto, você talvez se interesse em ler nosso último Protection & Indemnity (P&I) Market Review for 2011/12, que dá uma visão geral do status diante da perda do Concordia.


Este post foi postado em inglês no dia 17 Janeiro 2012

Categories: Português, Transporte

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *