Desenvolvimento de um flexível Programa Enterprise Risk Management

O processo de desenvolvimento de um novo Sistema de Enterprise Risk Management (ERM) é, muitas vezes, desconcertante para os gerentes de negócios experientes. Com a maioria dos novos projetos, a abordagem padrão é definir completamente um projeto com antecedência e depois implementar o plano. Quando essa abordagem é usada para a instalação de um sistema de ERM, o resultado é, muitas vezes, uma falha estranha e logo descartado.

Melhoria Contínua da Gestão de Riscos

Para um sistema novo ERM ser bem sucedido, ele precisa ser desenvolvido por um processo passo-a-passo de tentativa e erro. Em grande parte, isso acontece porque a maioria das empresas já tem vários processos de gestão de risco em funcionamento e o programa de ERM deve ser cuidadosamente adaptado para encaixar em torno desses processos – aumentando a eficácia da organização na gestão de risco, sem perturbar o que já está funcionando corretamente.

Além disso, a ERM envolve também uma primeira análise no perfil de risco geral. Em diversas organizações, o seu primeiro olhar para o perfil de risco produz alguma mudança de direção no desenvolvimento do programa ERM.

Mas, mesmo depois que o desenvolvimento inicial do projeto finaliza, o ERM precisa estar em um curso de aperfeiçoamento contínuo. Os riscos para uma organização estão constantemente mudando e a eficácia das abordagens anteriores à gestão de risco também estão em constante mudança, o tempo todo.

Processo de Aprendizado sobre Riscos

Muitas organizações incluem um processo de aprendizagem sobre riscos, como parte de seu programa de ERM. Uma empresa fez da aprendizagem sobre riscos uma parte regular de suas reuniões de comissões sobre o assunto. Os primeiros 15 minutos de cada reunião são utilizados para uma apresentação de um case de gestão de risco, levado por um membro do grupo, cada membro fica responsável por uma apresentação a cada encontro. Sugerimos que analisem cada case em todos os sentidos a fim de transformar-los em lições.

• Interno – uma das atitudes mais importantes que se desenvolve com um programa de ERM, é que uma organização deve aprender com suas experiências, especialmente naqueles momentos em que as coisas dão errado. Esta será uma mudança drástica de algumas empresas, que gostam de viver no positivismo e colocar as experiências ruins para trás, rapidamente.

• Externo – ao mesmo tempo, aprender pela própria experiência é importante, é algo muito caro. É muito mais barato aprender com os erros dos outros. Mas é preciso uma abordagem disciplinada para encontrar as coisas que a sua organização pode aprender, em vez de celebrar a superioridade de sua abordagem.

• Atrás – quando olhamos para o aprendizado, nós, naturalmente, olhamos para o passado. Ao olhar para trás, precisamos ter certeza de que sabemos o que pode se repetir e o que é específico de situações passadas.

• Afrente – às vezes, parece que estamos disperdiçando todo o nosso tempo de gestão de risco nos preparando para o último grande problema. Quando se procura por situações de aprendizado, um lugar que precisamos nos concentrar é o futuro. Precisamos olhar para as situações novas que possam surgir no futuro e as formas que podemos nos preparar.

O ERM nunca será bem sucedido como um sistema fixo e imutável, porque o mundo dos riscos está em constante mutação, e, geralmente, é mudando gradualmente de forma que tornam os processos de ERM velhos e ineficaz. Isso não é uma falha de quem construí os sistemas, e sim faz parte da natureza do risco.


Este post foi postado em inglês no dia 2 Agosto 2012

About Dave Ingram

Dave is an Executive Vice President of Willis Re, specialising in theory and practice of ERM for insurers. Based in…
Categories: Análises, Português, Resseguros

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *