Brasil conta com Atlas Eólico

Energia renovável

Recentemente, foi desenvolvido o Atlas do Potencial Eólico Brasileiro que tem por finalidade mapear a potencialidade para produção de energia elétrica a partir do vento, com o objetivo de fornecer informações que colaborem nas tomadas de decisões em relação às áreas adequadas para o aproveitamento eólico-elétrico do País.

Este Atlas registrou em São Paulo um potencial na produção de energia limpa e renovável capaz de atender 5 milhões de residências durante um ano, as regiões de Campinas, Bauru e Sorocaba foram as que apresentaram maior capacidade de produção de energia eólica.

Esta iniciativa é uma boa forma de estimular a diversificação da matriz elétrica, dando maior destaque as fontes limpas, com diversas informações sobre as áreas que possuem um bom potencial eólico no território nacional e suas principais características, como: velocidade média, direção, regime e sazonalidade do vento.

Maiores incentivos

Com o lançamento do Atlas, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, aproveitou para trazer “bom ventos” à indústria de equipamentos para a geração de energia eólica, com a prorrogação da isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços (ICMS) para indústria eólica local, até 2020.

Outra vantagem do incentivo a produção desse tipo de energia no Brasil é que, aproximadamente, 70% dos equipamentos necessários para a produção desta energia são produzidos em São Paulo, o que possibilita um menor custo com implantação e logística.

Gasto com energia elétrica no Brasil

Embora esteja na 10ª posição, quando o assunto é energia renováveis o Brasil é um dos líderes na produção de energia hidrelétrica e de biocombustíveis. Um percentual de 45% da energia total produzida no Brasil é originária de fontes renováveis, enquanto a média nos países ricos da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) é de apenas 8%.

Possuímos hoje uma potencia de 6,7 gigawatts de energia eólica, com investimentos de 7 bilhões por ano – perdendo apenas para a China e Índia. Para se ter uma noção, essa quantidade seria capaz de atender uma cidade inteira, como a de São Paulo – com 11 milhões de habitantes, por até 12 meses.

O racionamento do ano de 2000 foi extremamente importante para que o Brasil direcionasse sua atenção a outras fontes de energia. Foi nesta época que surgiram as primeiras políticas para a geração de energia alternativa, assim como a Lei 10.438/2002 que visa aumentar a participação de fontes alternativas na matriz energética nacional para 20% até 2020, lembrando que atualmente estamos em 17%, sendo que a eólica representa apenas 2% deste percentual. De acordo com o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE), até 2020 o percentual de participação das fontes renováveis de energia poderá atingir 46,3% (em 2010 era de 44,8%), em especial, a participação da energia eólica poderá chegar a 7%, hoje, sua participação é de apenas 1%.

E onde o mercado de seguros entra?

Saber aproveitar as oportunidades destas fontes renováveis, especialmente a energia eólica, pode ser um grande desafio para o mercado segurador. Trata-se de riscos muito complexos onde o corretor precisa dominar cada um destes riscos em todos os pontos, desde o início do contrato, passando pela execução da obra até o ponto onde a energia é produzida.

Atualmente, corretoras e seguradoras utilizam a prática de troca de tecnologias, conhecimento e produtos capazes de atender todas as empresas envolvidas no processo de implantação deste tipo de energia. Sem contar o conhecimento obtido através de mercados experientes e avançados, como o Norte Americano e o Europeu.

Diante das mudanças que podem ocorrer neste segmento, todo o mercado segurador precisa movimentar-se, afim de compreender e conseguir atender a esta nova oferta. Podemos esperar grandes investimentos em pesquisas, intercâmbio entre especialistas internacionais e até novas formas de mensurar e analisar os riscos que envolvem a produção de energia Eólica no Brasil.

 


 

Amanda Biadolla

Amanda Biadolla

Nossa blogueira convidada é Amanda Biadolla, ela faz parte da equipe de Comunicação e Marketing da Willis Brasil. Formada em Relações Públicas pela Universidade Metodista de São paulo, e uma das responsáveis pela manutenção dos canais de comunicação online da empresa.

Categories: Energia, Energias Renováveis, Português | Tags: , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *