Ter ou não ter um corretor de seguros? Qual o futuro dessa segmentação no ambiente online?

Há pouco tempo atrás, novamente veio à tona uma “velha nova” discussão dentro do mercado formal de seguros: afinal de contas, devemos contar, impreterivelmente, com a participação ativa do corretor ou das empresas corretoras / consultoras de seguros para contratar um seguro?

Em tempos de internet de acesso fácil e rápido, a presença física de um consultor de seguros, muitas vezes, é colocada em xeque. Será que vivemos outro momento em que a confiança que o corretor precisa conquistar dos clientes para vender seu serviço, pode ser substituída por pop-ups, aplicativos e mailings virtuais? Com o aumento das estratégias de vendas online, será que as grandes corporações do setor conseguirão passar a confiança de seus serviços apenas com um site funcional?

O tema entrou novamente em pauta durante uma palestra ministrada pelo advogado Antonio Penteado Mendonça, no último mês de junho, em evento promovido pela Associação Paulista dos Técnicos de Seguro (APTS), em São Paulo. O advogado e colunista de seguros chamou a atenção para o grau de importância que um corretor de seguros exerce no mercado atual. Mendonça declarou, entre outras coisas, que a figura do corretor de seguros está condenada a extinção, já que a nova geração cresce com a impressão de que, devido ao avanço da internet, “fazer seguro direto é mais barato”.

Se partirmos do princípio que as pessoas lidam cada vez mais com a tecnologia , é possível entender porque muitos defendem esta tese. Ainda assim, muitas lacunas precisam ser preenchidas nesse processo: quais critérios são imprescindíveis avaliar na hora de fechar seguro? O valor a ser pago é realmente o único ponto a ser considerado? Será que o consumidor comum teria reais condições de avaliar se suas necessidades estão atendidas?

Um dos grandes diferenciais do trabalho realizado pelo corretor é seu atendimento personalizado e a consultoria especializada. Através de uma análise detalhada sobre o histórico do cliente, o corretor é capaz de identificar quais as reais necessidades, e se coloca como um solucionador de problemas, identificando pontos importantes e maneiras diferenciadas de atender o cliente. Além disso, o trabalho do corretor não termina após a concretização de uma venda, pelo contrário, é ai que começa! Após encontrar a melhor solução para seu cliente, o bom corretor se mantém presente como um consultor e auxilia o cliente diante de quaisquer situações, dúvidas ou problemas referentes ao seguro. Ele tem o papel de estar alerta às novas necessidades e medidas de prevenção para possíveis problemas que o cliente por si só, pode não ter conhecimento. O bom corretor é um consultor de primeiro nível, vai além da simples corretagem, é consultor, analista e conselheiro na colocação dos riscos que, muitas vezes, causam grandes dores de cabeça ao cliente, se este for mal assessorado.

Reconhecimento do trabalho

Enquanto a internet parece ser um aliado para a informalidade do trabalho das corretoras, um projeto em vias de ser regulamentado, tem como característica o fortalecimento da figura do corretor.

Até o fim deste ano, o escopo para criação do Instituto Brasileiro de Autorregulação da Corretagem de Seguros, Capitalização e Previdência Aberta (IBRACOR) deve finalmente passar pelo crivo da Advocacia Geral da União para colocar em prática o projeto de autorregulação do corretor de seguros, como forma de conseguir maior controle e alinhar a ética do mercado segurador brasileiro.

Esse Instituto, sancionado pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), deve criar mecanismos de fiscalização e acompanhamento dos trabalhos desenvolvidos pelas empresas do ramo de seguros e é visto como um dos pontos-chave para a consolidação do segmento no mercado segurador. Além do Brasil, diversos países estão aderindo à regulação do setor.

Evolução e expectativas

A Autorregulação contribuirá para a garantia do melhor funcionamento do setor na medida em que, não permitirá a livre atuação de profissionais que têm gerado danos à imagem do setor, assim o mercado como um todo e, consequentemente, os consumidores terão muito a ganhar com estas mudanças.

É esperar pra ver!

About Rachel Soares

Rachel is Marketing & Communications Coordinator for Willis Brazil. Based in São Paulo, graduated in Advertisi…
Categories: Outros, Português | Tags: ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *