Projeto Willis Resilience Expedition reúne preocupação com riscos ambientais e recordes mundiais na Antártida

Durante 22 dias, o norte-americano Parker Liautaud, de 19 anos, irá percorrer 640 quilômetros usando esquis para tornar-se o homem mais novo e rápido a fazer o percurso da Costa da Antártida ao Polo Sul.

O jovem explorador e ativista climático, que aos 14 anos já esteve em uma jornada no Polo Norte, irá coletar amostras de gelo e outros materiais para auxiliar em pesquisas sobre mudanças climáticas – alinhada a preocupação da Willis Group, uma das maiores corretoras de seguro no mundo e patrocinadora da Willis Resilience Expedition.

Ao longo do caminho, Parker também irá implantar e testar uma estação meteorológica leve, nunca antes testada na Antártica, que irá transmitir dados meteorológicos a cada 30 minutos e, junto com as amostras de neve, irão contribuir com o esforço global em entender melhor as mudanças climáticas e seu impacto na Antártica.

O projeto foi lançado em Londres no último dia 30 de setembro e inicia-se em 3 de dezembro com rota prevista conforme mostram as ilustrações e pode ser acompanhado em tempo real e 24 horas por dia por meio do site: http://www.willisresilience.com/. A Willis Brasil também fará coberturas paralelas por meio do Linkedin e do Twitter da companhia no país.

expedition map

No segundo ano da Universidade de Yale, Parker já esquiou no Pólo Norte três vezes e realizou pesquisas para importantes instituições, como a Agência Internacional de Energia Atômica e a Universidade de Alberta. Sua sede de conhecimento e paixão pela aventura, juntamente com uma rotina rigorosa de treinamentos, o estão preparando para esta expedição extrema no terreno mais severo e implacável do mundo. Como se isso não bastasse, Parker e seu parceiro de expedição, Doug Stoup, terão que atravessar as montanhas Trans-Antártica, que, no seu ponto mais alto, atingem 4.528 metros – aproximadamente a mesma altura que o Mont Blanc.

Grande desafio

Willis Resilience - Pulk

A Willis Resilience Expedition terá como ponto de partida a Plataforma de Gelo Ross Parker, resultando em uma caminhada de 640 kmcom uma bagagem de 82 kg em equipamentos de expedição – igual ao seu próprio peso corporal. Para bater o recorde mundial atual, Parker precisa percorrer em torno de 30 km por dia em temperaturas entre -28 °C e -60ºC. Em um dia normal, Parker estará em movimento por cerca de 10 horas, e vai gastar em torno de quatro horas para fazer e desfazer acampamento, além de cozinhar refeições especialmente para garantir que consuma suas 6.000 calorias necessárias a cada dia.

Nesta época do ano, a Antártica é banhada pela luz solar 24 horas por dia, o que permitirá cobertura televisiva ao vivo. Telespectadores ao redor do mundo serão capazes de compartilhar os acontecimentos durante a jornada, pois cada passo através da neve, cada manhã derretendo o gelo para beber água potável e cada montagem de acampamento noturno serão observadas por câmeras de televisão de longa distância, especialmente projetadas. A transmissão da expedição será habilitada por veículos personalizados que permanecerão separados de Parker, exceto para as transmissões de rádio e telemetria de voz que servirão como mecanismo de engajamento de mídias sociais 24 horas por dia.

Expectativa do jovem

Willis Resilience - Parker

Em seu perfil no Facebook, Parker descreveu que os treinos na Islândia, realizados em setembro, incluíam técnicas de escalada no gelo e até resgate em “fendas polares”. Na Antártida, elas podem chegar à profundidade de 45 metros e ter até 20 metros de diâmetro. Como são cobertas por uma espécie de ponte de neve, são difíceis de serem identificadas.

“No dia 3 de dezembro de 2013, eu deixo a borda da plataforma de gelo Ross, na Antártida, para esquiar 640 km da costa da Antártida ao Pólo Sul, na esperança de quebrar o recorde de velocidade de 22 dias. Aos 19 anos, espero também me tornar a pessoa mais jovem a esquiar tanto no polo Norte, quanto no Sul. Ao longo do caminho eu coletarei amostras de neve, das quais esperamos que possam dar alguma valiosa contribuição para a compreensão do clima na Antártica, declara Parker Liautaud.

 Apoio da Willis

Como uma das principais consultoras de risco e corretoras de seguros e resseguros do mundo, a Willis está apoiando esta jornada inspiradora para testar os limites da resistência humana e resiliência em ambientes mais inóspitos, promovendo uma maior compreensão de nossa mudança climática e os riscos associados a ela. Desde sua fundação, em 1828, a Willis tem ajudado os clientes a explorar novas fronteiras, mitigar riscos naturais e antrópicos e alcançar, através de esforço humano, o que muitos pensavam ser impossível.

Com o intuito de testar os limites da resistência humana em ambientes extremos, a Willis quer ampliar as informações existentes sobre as mudanças climáticas e os riscos associados a ela. “Embora os perigos naturais ainda sejam considerados raros, quando nós examinamos estatísticas, vemos que as corporações têm 30% de chances de experimentar uma inundação, um desastre natural ligado ao vento, ou um terremoto nos próximos 20 anos” estima José Otávio, CEO da Willis Brasil.

“O coração desta expedição está estritamente alinhado ao negócio da Willis. Com a análise dos resultados que serão obtidos é possível construir uma estratégia de resistência aos riscos. Não será apenas uma aventura extraordinária de Parker, mas um verdadeiro teste da resistência humana em ambientes extremos” afirma o CEO mundial do Willis Group, Dominic Casserley.

Também com o apoio da EMC Corporation, empresa especializada em serviços de TI no mundo, e do IPCC, Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, a expedição irá informação coletada em nuvem e analisada por especialistas em mudanças ambientais.

Confira mais fotos e vídeos neste link: http://www.willisresilience.com/mediacentre/photos-video/#slide2 e acompanhe essa façanha a partir do dia 3 de dezembro!

About Amanda Biadolla

Amanda is part of the team of Marketing Communications at Willis Brazil. With degree in Public Relations at Univers…
Categories: Português, Risco Climático

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *