Cinco tendências de seguros cibernéticos a serem observadas em 2018

Quais desafios as empresas interessadas em contratar um seguro cibernético estão enfrentando em 2018? Aqui está um resumo das cinco principais tendências, com base nos resultados identificados em nosso Relatório de Realidades de Mercado em 2018: Riscos cibernéticos.

1. Os prêmios cibernéticos anuais totais continuarão a subir à medida que mais empresas demandem a cobertura
Os prêmios globais, que estão por volta de US$ 2,5 bilhões agora, continuarão a subir e deverão chegar a US$ 10 bilhões em 2020. À medida que novos e mais poderosos ataques e ameaças emergem, organizações que ainda não consideraram contratar um seguro cibernético, provavelmente, considerarão fazê-lo. Por exemplo, os ataques WannaCry e NotPetya afetaram indústrias e regiões que anteriormente não eram consideradas como alvo de uma ciber-exposição significativa. Dado o tamanho, a escala e o impacto financeiro e de reputação de recentes incidentes cibernéticos, esperamos que aqueles que ainda não perceberam sua importância, a considere seriamente.

2. A capacidade acompanhará a crescente demanda, ajudando a manter as taxas no mesmo nível
À medida que a demanda pela cobertura aumentar, a “capacidade de fornecimento também a acompanhará” – observa o estudo – com novas seguradoras e capacidades adentrando o mercado. A capacidade adicional vem de novos mercados dos EUA, Londres, Bermudas e Ásia, que estão fornecendo limites de até US$ 600 milhões (por risco) em alguns casos.
Apesar de uma série de violações em perfis de alto risco, as renovações do programa de seguro cibernético para cobertura primária e excessiva apresentam, em média, aumentos de taxa de apenas um dígito. Especialistas preveem aumentos de taxa de até 5% para 2018.

3. As seguradoras analisarão os riscos, recompensando aqueles com programas mais robustos de segurança cibernética
Ressaltando a importância de programas abrangentes de gestão de riscos cibernéticos, algumas seguradoras reduzirão os prêmios para as organizações que demonstraram níveis elevados de segurança e controles de políticas internas.

4. A demanda por cobertura mudará
Embora a demanda tenha sido amplamente direcionada pelos Estados Unidos, a evolução dos métodos de ciberataques, combinada com o aumento dos regulamentos de privacidade na União Europeia e China, significa que o mercado global de seguros cibernéticos está preparado para um crescimento explosivo.

5. A cobertura expandirá
Continuamos a ver a cobertura se expandir à medida que mais seguradoras identificarem lacunas na cobertura dos seguros patrimonial, de responsabilidade civil e de crimes especiais, para incluir perigos decorrentes do risco cibernético. Algumas seguradoras estão começando a mesclar coberturas de seguro cibernético e patrimonial. Também estamos vendo uma expansão da cobertura cibernética em geral. Exemplos incluem concessões explícitas de cobertura para ransomware e engenharia social e cobertura de ciberterrorismo expandida para incluir ataques de Estado-nação.

Previsão de preços – Renovações (varejo – sem POS, assistência médica limitada)
-3% a +5%

Novos Compradores
Condições de mercado competitivas dependendo da indústria e do tamanho da empresa

Com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia, que entrará em vigor em maio de 2018, esperamos que os mercados cibernéticos abordem questões relativas à cobertura para as ações regulatórias decorrentes do novo regulamento. Em meio ao aumento da dependência do consumidor e da indústria na tecnologia “Internet das Coisas (IoT)”, também esperamos aumento da exposição de lacunas, erros e omissões de tecnologia, assim como a inclusão de coberturas cibernéticas em novas propostas de seguro. À medida que as ameaças cibernéticas continuam a evoluir, meus colegas e eu estamos otimistas de que o mercado e as soluções de transferência de risco, juntamente com ferramentas analíticas sofisticadas evoluirão para ajudar as organizações a gerenciar proativamente esse risco complexo. Como sempre, a transferência de risco sozinha não é uma solução mágica. Estimulamos as organizações a desenvolver uma abordagem estratégica e holística para gerenciar o risco cibernético que envolva pessoas, capital e tecnologia.

 

Joe DePaul é Líder Nacional de Prática Cyber/E&O, América do Norte, na Willis Towers Watson

 

Categories: Português, Risco Cibernético, Tecnologia | Tags: , , , , , , , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *